Gravidez Ectópica – Eu perdi minhas duas trompas

É muito difícil escrever sobre isso. Ainda me sinto muito machucada, afinal faz pouco tempo que a minha segundimagesa gravidez ectópica aconteceu.
Mas ao mesmo tempo sinto que preciso desabafar e escrever sobre isso porque com certeza em algum lugar tem alguém passando pela mesma coisa que eu.
Em 2015 eu descobri que estava grávida, eu já estava planejando ter o segundo filho (sim eu já tenho um filho, um presente de Deus para mim). Tinha feito todos os exames e estava tudo bem comigo. Mas eu não estava controlando tudo, as datas de ciclo e menstruação. Estava mais sossegada. Aí comecei a sentir umas dores estranhas do lado direito, achei estranho. Também estava com um sangramento escuro que parecia borra de café, pensei que fosse fim da menstruação. Ai comecei a pensar, será que estou grávida? Porque tem mulheres que sangram na gravidez certo. E fiz um teste de farmácia e deu positivo. Eu fiquei muito feliz, marido ainda ficou meio chocado. Mas comparando com a primeira gravidez sentia que algo estava errado, porque estava sentindo dores. Estava com mau pressentimento. Comecei a pesquisar na internet e ler sobre várias coisas. Depois fiz o beta HCG e foi constatado um número muito alto de hormônios, logo em seguida fiz um ultrasom e fui encaminhada para cirurgia de urgência para remoção da trompa. Fiquei com muito medo, porque quando a gente engravida nas trompas, corre o risco de hemorragia interna devido à trompa vir a romper. Fiquei pensando que podia morrer, fiquei pensando no meu filho, na minha vida. Como é ruim essa sensação, de ir para sala de cirurgia com urgência. Mas no fim deu tudo certo. Só foi removida minha trompa direita e meus outros órgãos foram preservados. Fiquei bem mal depois, não tempo como não ficar. Chorava, ficava pensativa, tentando entender porque isso aconteceu. Minha médica disse que eu podia ter um problema na trompa mesmo ou o embrião podia não estar bom. Mas como ainda me restava a minha outra trompa, as minhas chances ainda existiam para tentar de novo.
Aí passados alguns meses, depois de me recuperar fisicamente (porque essa cirurgia a gente perde muito sangue e fiquei com anemia) eu voltei a minha vida normal, e depois comecei a pensar em tentar de novo. Conversei com a minha médica, perguntei se precisava fazer alguns exames, ela me disse que não. Disse que era muito difícil isso acontecer de novo, mas que mesmo assim poderia acontecer.
E eu segui tentando, agora sim, instalei um aplicativo no meu celular, o Calendário, e fazia todos os controles de dias certinhos. Tinha muito medo daquele episódio se repetir. Em 2016, em Agosto minha menstruação atrasou e fiquei ansiosa para saber se finalmente tinha conseguido. Veio um sangramento dias depois. Eu já comecei a chorar pensando de novo não foi dessa vez. Pensei que fosse minha menstruação. Já comecei a ficar triste. Nos dias seguintes não veio um fluxo grande como de normal. Já comecei a pensar, será que estou tendo aquilo de novo. Durante o trabalho, estava fazendo uma auditoria, nunca vou me esquecer, senti uma dor esquisita do lado esquerdo, uma dorzinha só do lado esquerdo. Como eu já sabia que não tinha mais trompa do lado direito e menstruação não dói só de um lado. Já pensei: acho que engravidei nas trompas de novo… Fui desesperada para casa fazer um exame de farmácia que deu positivo e em seguida fiz um de sangue. Nesse momento já estava desesperada.
Desde esse dia muitas correrias aconteceram, eu poderia detalhar tudo aqui, mas vai ficar muito grande então vou tentar resumir.
Minha médica a principio me acalmou dizendo que dessa vez poderia não ser na trompa, que eu poderia estar abortando normal. Fiquei de repouso e fazendo vários exames de beta HCG. Que estavam aumentando e depois diminuiu. Quando começou a diminuir eu fiquei mais calma pensando eu estava abortando normalmente mesmo e segui com a vida. Mas ao fazer o próximo exame, os hormônios dobraram. Aí já fiquei louca de novo e naquele momento tinha certeza que estava tendo outra gravidez ectópica. Pedi muito para a médica me dar aquele remédio metotrexato para interromper a gravidez. Isso preservaria minha trompa. Mas esse remédio é muito forte, ela não quis se precipitar e começou a investigar pra saber o que estava acontecendo, fiz vários ultrasons pra saber se se tinha alguma coisa dentro do útero ou fora. E fiquei sangrando por meses diariamente. Cheguei a ser internada para fazer uma vídeolaparoscopia para ver se assim eles descobriam onde estava a minha gravidez. Mas foi cancelada a cirurgia em cima da hora. E me deram o remédio. Passei bem mal com esse remédio, tive insônias, dores de coluna e ânsia de vomito. Eu tinha fé que o remédio ia resolver.
Fiz exame e os hormônios começaram a despencar. Estava mais confiante. Voltei a trabalhar. Mas eu ainda sentia dores fortes do lado esquerdo. Teve um dia que não consegui nem andar, tinha dias que nem dirigir eu conseguia. Aí fui um dia para emergência novamente e no ultrasom deu o resultado que estava com liquido na cavidade, isso quer dizer que minha trompa já tinha se rompido por isso estava com tanta dor.
Fui encaminhada para outra cirurgia. Somente a trompa esquerda foi removida. Fiquei 15 dias de repouso. Depois disso me sentia muito fraca, indisposta e bem fragilizada emocionalmente. Depois descobri que estava com anemia, e estou tomando ferro.
Agora estou bem melhor fisicamente. Mas ainda me pego chorando por ter perdido minhas trompas. Eu sei que ainda vai demorar para passar um pouco.
Eu ainda posso engravidar, não da maneira natural, mas fazendo fertilização. É muito caro. Não sei o que o futuro me reserva.
Só sei que eu não tinha um sonho, eu tenho um sonho. Não sei se vou realizá-lo.
Só sei que tenho que controlar minha cabeça porque quando a gente passa por isso escutamos muitas coisas: “ah vc já tem um filho, fica só com esse”, “adota agora”, “não tem mais filho não”, “ah vc é muito fraquinha para ser mãe (acredite eu ouvi isso!)”, “faz fertilização, hoje em dia a medicina está muito avançada para isso”, “a igreja católica não aprova fertilização”, “se fosse hoje eu não teria mais filhos, está muito difícil criar filhos nesse mundo de hoje”, e por aí vai. A verdade é que nós vamos passar por muitas coisas nessa vida, boas e ruins e não sabemos como lidaremos com os momentos ruins.
E somente Deus pode nos ajudar. Depois desse momento tão triste na minha vida, fiquei muito próxima a Deus. Porque um dia eu me vou dessa terra e quero estar sempre na sua presença.
E sei que só ele tem a resposta que eu preciso, só ele pode me mostrar o que devo fazer.
Eu quis me abrir aqui com vocês para que vocês entendam o que passou comigo.
E você que pode estar passando por coisa parecida procure ajuda. Vá a mais de um médico, leia, pesquise na internet em Português e em Inglês (tem mais informações em língua Inglesa). Saiba pelo que você está passando. E nunca deixe de sonhar.
O que seria da vida se a gente matasse os nossos sonhos? Será que ainda valeria a pena viver?
Eu sou muito grata por estar viva e muito mais ainda por ter concebido o Thomas. Sou muito grata a minha amada mãe que me ajudou muito nesses momentos tão difíceis na minha vida. Não sei o que seria de mim sem ela por perto. Sou grata ao meu marido e minha amiga querida Samantha que me ajudou muito também com suas palavras de conforto e que me mandou anjos na minha casa. Com certeza nunca esquecerei. Muito obrigada.
E eu estou aqui para viver a minha história guiada por Deus.
Beijos no coração

Anúncios

Alergia à Proteína do Leite de Vaca e à Soja

387439-137-29

Este post é mais um post sobre a minha experiência como mãe do Thomas.

Me sinto mais preparada agora e com mais informações para falar desse assunto. Um assunto que foi bastante real em nossas vidas.

Thomas nasceu com alergia alimentar. Alergia à PLV (proteína do leite de vaca) e NÃO  à lactose (tem muita confusão sobre isso) e também com alergia à soja.

Ninguém sabia disse quando ele nasceu. Aí vou contar como ficamos sabendo, como eram os sintomas, como vivemos com isso e como foi tudo até então.

Sinto que de alguma forma posso ajudar alguma família com essa informação.

Quando Thomas tinha alguns meses de vida, ele chorava muito. Qual bebê que não chora de cólica não é? Então tudo é classificado como normal. Ele mamava de 1 em 1 hora. Não esvaziava meu peito direito. Mas engordava. O que era um bom sinal. Com 2 e 3 meses, chorava muito, tinha muitas dores. Eu sofria muito com isso. Queria de algum jeito aliviar suas dores. Dávamos remedinho para cólica. Fazíamos compressa morna, mas não adiantava.

E sempre era sim, algumas horas ficava chorando muito. E a gente achava que não devia ser normal isso.

Procurei uma homeopata, ela disse que o Thomas tinha muitos gases. Passou um monte de remédio de homeopatia. E um deles era para usar quando ele tivesse chorando muito, com muita dor. E essa foi a salvação por um tempo. Tinha que dar umas gotinhas, esperar uns minutos e dar de novo. E de certa forma ele se acalmava.

Trocamos de pediatra. Procuramos uma pediatra particular, recomendada por um médico muito bom.

Essa pediatra, que inclusive é a atual dele, examinou tudo, nos ouviu atentamente. E nos disse que ele tinha muita cólica. Que sentia muita dor quando mamava. Além disso o Thomas também tinha muito refluxo, golfava sempre boa parte do que ele mamava. Tadinho, como sofreu !

Ela receitou remédios para refluxo e remédios para cólicas. E o Thomas ficou tomando esses remédios por um bom tempo. Nem consigo esquecer os nomes dos remédios Label e Motilium. Foram várias caixas.

E a vida foi seguindo. Deu uma melhorada no refluxo, mas não cessou completamente. Amamentei o Thomas até os 5 meses de idade. À partir daí começamos a introduzir leite artificial. O primeiro leite foi o Aptamil antirefluxo. Prendeu muito o intestino dele. Depois foi para o Nan, mesma coisa. Depois ele começou a tomar o Bebelac. Aparentemente deu uma melhorada. Mas o pior nem tinha começado. Acreditem !!!

Ficou por um tempo tomando bebelac e começamos a observar que ele demorava muito pra fazer cocô. E aí começamos a introduzir frutas. Mamão, suco de laranja (não aceitava). Mas mamão ele comia. E nada do intestino melhorar. Ficava mais de 3 dias sem fazer cocô. 4, acho que até 1 semana, ele ficou.

O problema é que ele começou a passar precisar de supositório pra fazer. E ele sempre tinha que fazer muita força. Judiava muito dele. E ele era um bebê, de 5 meses. Precisou várias vezes de laxante. E começou sofrer cada vez mais com isso. Tomou outros remédios para ajudar a soltar o intestino. Ameixa, calda de ameixa, enfim, um monte de coisas que já perdi as contas.

E cada vez mais ele sofria. Saia pedras enormes dele, duras. Cheguei a ter que ajudá-lo várias vezes (manualmente). Ele se contorcia, quase tinha uma convulsão pra evacuar. E eu chorava, pedia à Deus pra ter misericórdia do meu filho.

Eu sei que a forma que estou contando tem um certo exagero, mas foi isso mesmo que aconteceu. Foi terrível. Só quem estava lá pra saber o que passamos. E eu preciso contar da forma real que foi.

E então o Thomas ficou traumatizado para evacuar. Toda vez que tinha que fazer isso, já sofria antes. E era sempre um sofrimento. Sempre que eu sabia que ele tinha que evacuar eu também já ficava desesperada. E isso já estava afetando a região anal dele.

Até que em uma consulta com a pediatra, ela nos disse que suspeitava que ele tinha alergia à leite de vaca. E nos mandou dar leite de soja pra ele. E leite de soja é muito ruim. Ele teve que ficar com bastante fome pra poder aceitar o leite. E ele tomou uma mamadeira. Na manhã seguinte adivinha o que aconteceu? Ele estava todo vermelho, com várias manchas na pele. Conclusão, ele tinha alergia à soja. Então, por dedução também, se ele tinha alergia à soja, era muito provável que tivesse alergia ao leite de vaca.

Aí demos leite de arroz pra ele. Ele tomou. Mas era um leite bem aguado. Sem todas as vitaminas necessárias.

E nesse momento várias pessoas querendo ajudar. Insistindo para que a gente desse o próprio leite de vaca puro pra ele. Para ver se soltava o intestino. Eu lembro até que falei com um médico velho bam-bam de São Paulo por telefone, e ele disse, dá leite de vaca pra ele. Um médico de um hospital aqui da cidade também disse isso. E na nossa agonia de pais desesperados, compramos um leite de vaca, misturamos com mucilon e demos pra ele. Ainda bem que ele não aceitou de cara. Tomou um pouco. Mas esse era o verdadeiro VENENO pra ele.

E foi quando a médica dele nos orientou a procurar um pediatra gastro. E acabamos em um profissional especializado da cidade de Taubaté. Que inclusive é professor de medicina. E na primeira consulta ele confirmou o diagnóstico. Nos disse que o aparelho digestivo do Thomas já estava todo inflamado por todo esse tempo que ele passou tomando o que ele não podia. E que se tivéssemos continuado daquela forma ele poderia ter várias complicações.

Nos orientou a suspender, laxantes, supositórios. E mandou dar um leite importado da Nestle chamado Althèra. Um leite bem caro por sinal. Mas este leite salvou a vida do meu filho. Foi ele tomar uma mamadeira. E imediatamente ele evacuou sem problemas. Um verdadeiro MILAGRE !

Então, estudando um pouco mais sobre este tipo de alergia. Não existe nenhum exame que consiga diagnosticar se o bebê tem alergia a leite de vaca. O diagnóstico é feito através de eliminação do leite da dieta.

Sabendo de tudo isso. E como se eu voltasse desde o começo e lembrasse quantas vitaminas (feitas com leite) eu tomava quando amamentava ele. E esse leite passava para o meu leite do peito e fazia ele sofrer com as cólicas. Talvez se tivesse sabido disso antes, teria amamentado mais ele. Ele teria mamado mais.

Então sabendo o que o Thomas tinha agora. O médico orientou a parar de dar frutas por um bom tempo. Era só o leite.

E depois que introduzimos as frutas de novo. E aí a papa salgada, seguindo as instruções do médico, que também é nutrólogo. Sem alho e sem tomate. Mas o Thomas não comia. Fazia várias papinhas. De vários jeitos. E ele não comia.

O importante é que o leite o alimentava. E assim foi por um bom tempo. Não dávamos nada com leite e soja (ÓBVIO). Mas às vezes as pessoas ofereciam. Mas como ele nem entendia, não sofria.

Aí descobri este site na internet http://www.alergiaaoleitedevaca.com.br, e lá peguei um livro de receitas. Fiz algumas receitas sem leite. Ele comeu. Mas ele sempre comeu muito pouco. Sempre teve que fazer vários exames por causa disso também.

Houve um momento que descobrimos que ele estava com anemia de ferro. Ele teve que tomar Combiron. Ele teve reação alérgica cutânea também. Tivemos que interromper. Aí demos Folifer por um tempo. Fizemos outros exames de sangue e anemia cessou.

Thomas até 1 ano de idade, sempre teve imunidade baixa. Ficou diversas vezes doente.

Depois de 1 ano começou a comer um pouco melhor. Comia muitas frutas sempre. Mas não tomava suco e nem água.

Uma outra vez que ele ficou doente e que tomou um antibiótico injetável e novalgina para febre. Teve também uma reação alérgica cutânea. Não sabemos até hoje qual dos dois medicamentos causou a alergia.

Enfim, o Thomas tem sensibilidade alérgica.

Os médicos NUNCA deixaram colocar ele na escolinha. Pelo menos até fazer 2 anos de idade. E eu como mãe, tenho me dedicado todo esse tempo à ele, com muito amor.

Depois de 1 ano e meio, comecei por conta própria introduzir algumas coisas com leite pra ele. Pães e bolo. E fui observando se tinha reação. E aos poucos fui dando algumas coisas. Danoninho. E nada dele ficar ruim. Aí fui concluindo que ele estava curado. Conversei com a médica dele. E fui aumentando a introdução e observando.

Até que atualmente conseguimos finalmente mudar o leite dele. Do Althèra para o Ninho Fases 1+.

Thomas está com 2 anos e 1 mês praticamente. Está curado. Pode comer de tudo. Começou meio período na escolinha. E eu sou uma mãe muito feliz e grata a Deus por essa benção.

Espero ter colaborado de alguma forma com as mamães que estão vivendo situação semelhante. Nunca devemos perder as esperanças. E o nosso maior bem, é a nossa saúde e o amor da nossa família.

Essa foi a história real sobre a alergia alimentar do meu filho Thomas.

Beijos e até a próxima !

Meu resumo sobre o livro Casamento à Prova de Bebês – Parte 1

O meu objetivo inicial era colocar um único post sobre o meu resumo deste livro. Mas já passou tanto tempo depois da minha leitura e como já tinha feito uma parte significante, estou postando este resumo Parte 1 (que vai do Cap. 1 ao 4). Quem gostar e tiver se interessado pelo continuação, aguardem que prometo finalizar.

Eu fiquei sabendo deste livro antes de engravidar. Sabia que um dia teria que lê-lo.

E já faz um tempo que eu consegui fazer isso. E foi exatamente quando eu estava precisando. E agora, um bom tempo depois de ter lido. Sinto que seria bom ler de novo. Porque já se passou algum tempo, e sinto que ele ainda pode me ajudar um pouco mais.

Neste post eu vou contar um pouco dos tópicos que ele aborda. Eu acho que não só a mulher, como o homem deveria ler este livro.  Afinal estamos falando de casamento (casal). Mas daí vai depender do interesse do homem, e realmente não são todos que gostam de ler esse tipo de livro. Aliás nem algumas mulheres gostam.

O livro está dividido nos seguintes tópicos abaixo. Abaixo aos tópicos vou colocar o meu resumo.

1. Como viemos parar aqui? Ter filhos muda tudo

Este primeiro capítulo fala da revolução que um filho faz na vida de um casal. Principalmente na vida daqueles casais, que já moravam juntos, que tinham as suas vidinhas organizadas. Passeavam, viajavam, faziam o que davam na telha.

Trata-se do desconhecimento por parte dos novos pais da nova realidade. Do abrir mão de muitas coisas. Principalmente do tempo. Do tempo do casal, do tempo pra você.

Uma mensagem importante é a atitude. A atitude no casamento depois dos filhos é muito importante. Você tem que mudar seu pensamento e sua maneira de agir com relação à algumas coisas, como: uma nova maneira de ser (agora ser pai e mãe), fazer coisas pelo companheiro, não tentar ter a mesma vida de antes (confesso que por um bom tempo isso é muito difícil), saber que alguns momentos difíceis são só uma fase e que vai passar, fazer o suficiente para algumas coisas e considerar como bom (por exemplo, como a organização da casa) e saber que a felicidade de um depende da felicidade do outro. 

Por mais que o casal tenha planejado o filho, ter tomado esta decisão no melhor momento da sua vida, ainda sim este casal passará por uma mudança radical de vida. Uma mudança que só passando por ela que dá realmente para saber do que se trata.

Antes de ter filho eu sempre ouvi as pessoas me dizerem que muda tudo, que é difícil, que dá trabalho. Mas só vivendo que eu realmente pude saber o quanto que a minha vida tinha mudado. Na verdade pra tudo na vida é preciso ter a experiência para saber como é. Dirigir, namorar, beijar, morar junto, casar, trabalhar, perder uma pessoa querida e ter filhos. Só sabe quem realmente passou por isso.

2. Bum! Chegou o bebê-bomba! Bem-vindo ao campo de batalha

Este título pode soar um pouco mal. Mas lendo o livro dá pra entender um pouco esta sensação da bomba que se fala. É importante dizer que este livro foi escrito por três mães que vivenciaram estas mudanças em seus casamentos após a chegada dos filhos.

Este capítulo fala um pouco do começo dessa passagem para a vida com filhos. Os primeiros meses, você voltando com o seu filho pra casa, sem saber muito o que fazer. Sem saber ainda o que sentir, os sentimentos vão se criando dentro de você. O stress dos primeiros meses, as cólicas do bebê, as noites sem dormir (que podem durar muito mais do que 3 meses, que foi o meu caso), o fato de você não ter tempo pra nada, a importância da ajuda, a ausência TOTAL de sexo (mais de interesse dos homens, porque nós mulheres nem queremos saber disso), enfim um caos …rs

Depois da turbulência as coisas vão se ajeitando e o importante é que o casal junto consiga ver o seu papel agora neste novo cenário. O que o papai pode fazer pra ajudar a mamãe. O que a mamãe pode fazer, para deixar claro para o papai, o que ele pode fazer para ajudar a mamãe…eheheh.

Gostaria de falar particularmente sobre a AJUDA. A ajuda que no começo pode ser da mãe, da sogra, da irmã, da tia, da vizinha, da amiga ou da empregada. É importantíssimo pensar nesta ajuda antes de ganhar o bebê. Esta ajuda é necessária sim. Nós mulheres precisamos muito desta ajuda. A gente precisa descansar, tomar banho, comer, nossas roupas e as do bebê precisam ser lavadas, a casa precisa ser limpa e etc… Como fazer tudo isso no começo? Ainda mais se você acabou de passar por uma cirurgia? E sem contar que emocionalmente a maior parte das mulheres ficam abaladas. E não só com a chegada do primeiro filho, como em alguns casos, mas na chegada do segundo também. Então não vamos ser orgulhosas, vamos ser humildes e vamos pedir ajuda sim ! Ou então contratar esta ajuda.

3. Quem faz mais pontos? A batalha dos sexos depois do bebê

Esta parte do livro é bem interessante. Trata-se da concorrência do casal, não-intencional, de que quem fez mais tarefas do que o outro. O porquê disso? Eu entendo muito bem o que é isso. Na verdade é o seguinte, agora o tempo é bem escasso para cada um resolver as suas coisas, ter um tempo reservado pra fazer o que gosta, assistir um filme, fazer uma atividade física, assistir novela, jogar vídeo-game, sei lá, tomar umas, cada um tinha sua rotina. E com a chegada do filho o casal tem bastante coisa pra fazer para o filho. Dar banho, arrumar a roupa dele, dar remédio, ficar com ele (porque ele não pode ficar sozinho), trocar fralda, dar papinha, fazer papinha, fazer dormir…e etc. E como o filho é do casal, não é justo que só um (mãe ou pai, muitas vezes a mãe) fique com toda esta responsabilidade. Fazendo com que ela fique extremamente cansada e estressada, não sendo bom para o bebê e nem para o casal.

É imprescindível então dividir algumas tarefas, dizendo quem fica responsável pelo quê. Planejar compromissos e comunicá-los ao(à) marido/esposa. Enfim, entrar num acordo de tempo x responsabilidade que seja justo e bom para todos. A saúde do casamento depende muito disso agora. O casal deve se planejar e se acertar para saber usar bem o seu tempo. Cada um com sua nova responsabilidade (ser pai e mãe) mas tentando manter e atender as suas necessidades como pessoa e como casal também.

Por experiência própria, isto leva um bom tempo até que tudo se organize. É preciso ter paciência, paciência, e realmente pensar que isto é uma fase e que tudo vai se ajeitar, que não deixa de ser mesmo verdade.

4. A “vida sexual” dos novos pais Coitus non existus

Não é verdade que depois dos filhos não há vida sexual para o casal. É só um pouco verdade…rs

Nós mulheres sabemos que quem sofre mais com abstinência sexual são os homens. Mas as mulheres de uma certa forma também sofrem com isso. Mas só se dão conta dessa necessidade quando conseguem reservar um tempo para isso.

Sexo ainda é um assunto tabu. Porque as pessoas ainda não conseguem conversar abertamente sobre isso. Menos a minha mãe…rs

Esta parte do livro dá relatos de como os casais vivem essa mudança em suas vidas. Com a chegada do filho, a mãe (antes esposa) está mais cansada, sem tempo para cuidar de si, que dirá ter disposição sexual. Ainda mais que a mulher precisa de uma preparo mais elaborado para isso. Elas precisam se sentir atraentes, lindas, bem arrumadas, perfumadas, um sex appeal. Mas com os filhos, são só leite, papinha, roupa suja, cocô, xixi.. e etc…

O casal pós filhos precisa agora reservar um tempo para namorar, reservar um tempo para o casal fazer coisas juntos. Sair só o casal, num barzinho, ir ao cinema e até ir ao motel. Para aqueles que podem contar com a ajuda da família este assunto é bem mais fácil de se resolver. Talvez às vezes não, porque algumas mães não deixam os seus filhos por nada..ehehe (será que me incluo neste tipo de mãe?).

Engraçado que esses dias eu estava assistindo aquele filme “American Pie – Reunion (Reencontro)” e o ator principal estava justamente conversando com o pai sobre esta falta de sexo após o nascimento do filho. E o pai estava dizendo pra ele que eles tinham que reservar um momento para isso. 

O fato é que com a chegada do filho, o tempo diminui para muitas coisas. Então é preciso conversar sobre o assunto e planejar juntos um meio de não ficar só na rotina.

No começo, nos primeiros meses de vida do bebê, a situação é mais complicada. Mas depois as coisas vão tomando forma. E lendo o livro, acho também que a parte de promover o ato sexual depois da chegada do filho, em um casamento, depende muito mais da mulher do que do homem. Então mulherada, vamos colaborar para nossa saúde !!! Mental e física !!! 

Não percam o resumo dos próximos capítulos do livro listados abaixo. Beijos e até a próxima !

5. Sogros e vilões Família em conflito

6. Aumentando a produção e entregando os pontos Quanto mais filhos, maior é a confusão

7. Definindo prioridades E agora, para onde vamos?

Epílogo Será que aprendemos alguma coisa?

Mãe, mulher ou anjo?

Não sei!
Sei apenas que é porto seguro,
é paz e serenidade.
E olha, não importa a idade, já nascem com esse dom.
Menina, mulher, mãe…
É muito feliz quem a tem e com ela pode contar
pois sabe que ela, sempre o vai amar.
Na alegria ou na tristeza, na sorte ou na desventura
é ela, que solícita, nos acompanha em tudo, com dedicação e ternura.
Sintam como é bom chamá-la o tempo inteiro
percebam dos lábios o doce movimento:
Mother, mama, mére, mãe, madrecita, não importa,
mãe, é uma palavra que transmite doçura
ela é em todo o mundo, o nosso amor primeiro.
Mãezinha, é aquela que sempre está a nosso lado
e compartilha o nosso fardo
para torná-lo mais leve.
Nada a faz nos abandonar, o seu amor é puro e verdadeiro.
Mãezinha, tão cantada e decantada,
por tantos poetas exaltada,
mas é tão pouco… ela merece muito mais.
No palco da nossa vida lá está, e na fila do gargarejo,
aplaude nossas vitórias cobrindo-nos de beijos.
Quando por vezes fracassamos, é com ela que contamos,
para ela, somos sempre iguais, os seus meninos.
Mãe, o teu carinho suaviza nosso caminho
e o teu amor, é uma prece ao Criador
para que nos proteja do mal .
Mãe, sempre resiste à ingratidão,
ao trabalho forçado e à dupla jornada,
pois se desdobra para que nunca nos falte o pão.
Mãe, tudo nos dá e não pede nada, mãe que disfarça a dor
e está sempre pronta a perdoar, distribuindo afeto em profusão.
Mães, que lindas são!
Tenham pele lisa ou enrugada, mãos tratadas ou engelhadas,
sejam como for, não faz mal. ..
Mãos de mãe, são mãos de anjo, como elas, não há igual!

Autora – Ivone Nunes

Dia Internacional das Mulheres – 2012

Mulher…
Que traz beleza e luz aos dias mais difíceis
Que divide sua alma em duas
Para carregar tamanha sensibilidade e força
Que ganha o mundo com sua coragem
Que traz paixão no olhar
Mulher,
Que luta pelos seus ideais,
Que dá a vida pela sua família
Mulher
Que ama incondicionalmente
Que se arruma, se perfuma
Que vence o cansaço
Mulher,
Que chora e que ri
Mulher que sonha…
Tantas Mulheres, belezas únicas, vivas,
Cheias de mistérios e encanto!
Mulheres que deveriam ser lembradas,
amadas, admiradas todos os dias…
Para você, Mulher tão especial…
Feliz Dia Internacional da Mulher!
(Anônimo)

Eu sofri para amamentar – E MUITO !

Faz tempo que estou querendo escrever este post a respeito deste assunto.

Contar como foi a minha experiência sobre a amamentação.

Antes de ter o Thomas eu já sabia que iria sofrer para amamentar, mas não tinha a dimensão de quanto seria.

Quando o Thomas nasceu, já no hospital tentei dar o seio para ele sugar. E aos poucos ele foi sugando…mas o leite ainda não tinha descido. E eu nem sabia direito como era isso.

Fique 3 dias no hospital. Chegando em casa, e se passando 1 semana de nascimento, eu ainda não tinha leite para dar ao Thomas. Comecei a ficar agoniada, preocupada.  Estava me sentindo mal, perdida, bem abalada emocionalmente (até porque psicologicamente também não estava bem). Então comecei a pensar que não ia ter leite. Isso porque a minha médica passou um remédio para ajudar na descida do leite.

Acabei que fui pedir ajuda no banco de leite daqui da minha cidade, chamado “Projeto Casulo”. E lá eles me explicaram que o leite pode demorar algumas vezes para descer, mas que sempre desce. No meu caso foi no 12° a 14° dia. E eles também me ensinaram como eu deveria pegar o meu seio e oferecer ao bebê. Quais posições que o bebê poderia ficar para mamar. Como eu deveria fazer o revezamento dos seios. Enfim, muitas informações que nós mamães de primeira viajem, e muitas mulheres de várias viagens podem ainda não saber. Informação útil !!! Coisas que deveríamos aprender pelo menos nos cursos de gestante que são dados por aí.

Eu fiz um curso de gestante e olha que foi ainda por uma empresa de nome e a meu ver foi bom sim. Mas existem muitas coisas ainda que podem ser melhoradas. E estamos aqui para isso.

Bom, então o meu leite desceu e eu fiquei muito feliz. Minhas mamas encheram, ficaram bem maiores do que como eram (OBA), e tinha leite.

Mas como tinha dado os meus seios ao Thomas 1 semana sem conhecer estas informações, acabou que os meus bicos racharam. Eu acho que foi um pouco por causa disso. Mas também acho que cada mulher tem uma certa sensibilidade a mais do que outras.

Bom aí veio sofrimento das rachaduras. Thomas mamava de 1 em 1 hora. E quando eu levantava para dar de mamar, logo já pensava “chorando” que iria sofrer fisicamente.

Eu posso dizer que sofri mais para amamentar do que com a cirurgia da cesárea. Cada sugada que o Thomas dava era uma DORRRR TERRÍVEL, tinha vontade de morder alguém, de beslicar..,. A dor era imensa. Uma dor física insuportável a ponto de me fazer a repensar na amamentação pelo seio ao Thomas.

Ter como opção tirar o leite com bomba e o oferecê-lo na mamadeira. E esta realmente foi uma de minhas opções. Eu tinha um seio que estava mais dolorido. Então, eu fazia assim, tirava o leite com a bomba elétrica Medela (que por sinal é ótima) e não doía, assim preservava um pouco mais o meu seio, e enquanto ele cicatrizava eu ia dando o meu leite na mamadeira ao Thomas.

E olha que eu tentei de tudo hein, todas essas pomadas de cicatrização, mamare, casca de banana, mel, o próprio leite materno, banho de sol e banho de lâmpada. Mas não teve jeito eu TIVE que passar esta dor. Esta dor era minha e eu tinha que passar por ela.

Mas não desisti. Depois de 1 mês amamentando o Thomas, algumas vezes eu ainda sentia dor. Mas cicatrizou e daí sim pude sentir o prazer que é o de amamentar.

Dei de mamar ao Thomas até ele completar 5 meses. Ele chorava muito de cólicas. Muitos falam que depois dos 3 meses as cólicas somem, mas a do Thomas não sumia. O meu leite foi secando e tínhamos que completar com leite artificial.

Ainda penso que poderia ter dado um pouco mais pra ele. Mas teria que ter sabido os reais motivos do sofrimento dele, e só conseguimos saber quando ele tinha 6 meses de idade. Descobrimos que ele tinha e ainda tem alergia à proteína do leite de vaca, mas este é um assunto para outro post.

É …não é fácil ser MÃE não. Mas a gente arruma força. Deus nos dá força para conseguirmos passar por todas as dificuldades. Quem disse que as coisas boas da vida são fáceis, sem sofrimento. Eu que o diga !!!

O que eu realmente gostaria de recomendar as mamães é que se orientem mais sobre a amamentação. Leiam tudo o que puderem. E se tiverem um banco de leite para irem antes de ganhar o bebê, para entender mais sobre como as coisas são na prática, é a melhor coisa.

A gente sabe também que cada um tem uma experiência vivida e a ser vivida. Que cada uma tem certo tipo de dificuldade. Mas quando você tem uma família que te apóia e um EXCELENTE profissional você terá menos dificuldades.

Outra coisa que eu queria deixar como mensagem é que mesmo sofrendo muito, não desistam de amamentar. O seu leite é o melhor alimento para o seu filho. E você é responsável pelo seu filho. E só você e mais ninguém pode dar isso a ele. Seja forte ! Peça ajuda ! Ore ! Vá até o seu limite, ao máximo, que você conseguirá !!!

Espero ter ajudado. Esta foi a minha experiência de amamentação (ainda preciso contar mais) com o meu filho Thomas e o meu marido Tony, que me ajudou muito nesta fase tão difícil e delicada.

Grande beijo e muita força !

Bingo no Chá de Bebê

Olá, depois de um tempo sem postar algo sobre a minha experiência lá vai um assunto interessante.

Todo mundo gosta de fugir do padrão, inovar. E em se tratando de chás de bebê, cozinha e etc… é sempre bom fazer algo diferente e marcante para os convidados.

No meu chá de bebê eu fiz um bingo. Comprei alguns produtos, como cremes, caixa de bombons e caixa de biscoitos finos para dar de brinde para as convidadas. Pois é, no meu chá de bebê eu quis convidar só mulheres. Nesta parte ainda me sinto tradicional. Mas hoje em dia os homens também estão participando dos chás de bebês.

As cartelas do bingo foram elaborados pelo marido Tony que fez uma programinha para gerar as cartelas aleatoriamente com nomes de coisas para bebês, como: babador, mamadeira, macacão, chupeta e etc. Ficou super legal !!!

Então eu bolei o seguinte. Queria que não demorasse muito tempo para as pessoas acertarem. Porque usando o sistema tradicional de bingo com os números, demora muito. Então estipulei que poderia ter até 2 ganhadores na mesma rodada (mesma cartela). E ao todo foram 3 rodadas.

Mas foi muito legal !!! As convidadas amaram. Como tinha muitas tias que estavam acostumadas com os chás de bebês tradicional só com adivinhação dos presentes, elas acharam super diferente e ainda algumas puderam voltar pra casa com um presentinho.

Até hoje uma de minhas tias me lembra do chá, de como ele foi emocionante. Pra elas e muito pra mim !!!

Mas olha eu também deixei pintar a minha barriga (só a barriga claro), eu acho legal. Mas tem grávida que não gosta. Então devemos respeitar todas elas, principalmente uma grávida. Uma grávida pode tudo… quer dizer, quase tudo, fumar NÃO PODE !!!

Então para colaborar com vocês, gostaria de anexar as cartelas do bingo que meu maridinho fez. Espero que gostem.

Beijos e até a próxima.

Cartelas e Bolas de Bingo

Lembrancinhas

Neste post gostaria de falar um pouco sobre lembrancinhas. Na verdade contar como foram as minhas.

No momento da gestação, quando estava preparando o meu Chá de Bebê também preparei as lembrancinhas. As lembrancinhas que eu escolhi para esta ocasião foi o kit preparado da Natura. Não sei se todo mundo já conhece. Mas na época a minha irmã comentou comigo que a Natura tinha lançado um kit de lembrancinha que pode ser usado tanto em chá de bebê ou em nascimento.

Então eu comprei este. É uma caixinha que vem com 20 mini sabonetes, com 20 caixinhas, 20 fitinhas de cetim e 20 adesivos. Veja no site da Natura.

E veja também como ficaram as minhas.

Este sabonete da Natura é muito cheiroso. É uma bela lembrancinha.

Agora para a lembrancinha da maternidade eu decidi escolher por uma comestível. Foi um alfajor tradicional de chocolate da Havana. Comprei 3 caixas que vem com 24 unidades cada. Coloquei num saquinho e coloquei uma tag com o nome e data de nascimento do Thomas.

Este tipo de lembrancinha deve ser dado para toda visita, já que é de comer. Os contras é que não dá pra ter um estoque muito grande por causa da validade e da conservação do produto. Então aqueles que porventura demorarem a fazer a visita acaba não recebendo esta lembrancinha. Também não é todo mundo que gosta deste tipo de lembrança. Minha médica mesmo não quis…rs Mas eu dei porque se eu também ganhasse iria gostar. Eu sou um pouco assim. Acabo fazendo umas coisas me colocando no lugar da pessoa. Mas quem sabe numa próxima oportunidade eu pense em outra coisa. Infelizmente não tirei foto desta lembrancinha.

Para a lembrancinha de batizado eu comprei um sachet de anjinho maravilhoso da Anny mamy & Cris baby. O perfume é muito gostoso. Esta lembrancinha eu dei para os padrinhos e para as avós. É gostoso colocar na gaveta de toalhas ou lençóis. Claro que eu fiquei com uma pra mim. Adoro essas coisas. Veja foto.

Espero ter ajudado com algumas idéias de lembrancinhas.

E você? Conte como foi a sua lembrancinha. Divulgue a sua idéia também. As mamães vão adorar!

Grande beijo. Até a próxima!

Decoração – Quarto do Bebê

Uma das coisas mais gostosas na preparação para chegada do bebê é arrumar o quartinho dele. Como minha experiência gostaria de contar como foi a preparação para o quarto do Thomas.
Primeira coisa que fizemos foi escolher os móveis. Não fizemos muita pesquisa, deveriamos ter feito. Mas acho que a ansiedade falou mais alto.
Compramos um berço que vira mini cama, uma cômoda, um guarda-roupa, uma prateleira e uma poltrona.
Nós compramos os móveis com bastante antecedência. Ainda bem, porque a loja atrasou a entrega. Isto pode acontecer. Por isso é bom fazer as coisas com tempo.
Um item importante é medir o tamanho dos móveis e o tamanho do quarto antes de comprar. Nós cometemos um erro. Medimos errado o quarto e compramos 1 cama pensando que ela caberia no quarto junto com os móveis. A cama não coube. E aí tivemos que colocá-la em outro dormitório da casa. Existem alguns erros que não podemos cometer. Por isso é importante aprender com os erros cometidos e com os erros dos outros.
Depois dos móveis comprados e antes da sua entrega. O próximo passo foi definir a cor do quarto. Compramos algumas amostras de tinta para fazer alguns testes. E chegamos na cor final mesmo ainda com dúvidas. Queria pintar de azul bebê e branco. Procurei em vários lugares na internet e não achei uma informação que me ajudasse, ou um nome de tinta que eu pudesse comprar. Por isso também quero divulgar aqui o que eu usei e postar as fotos do quartinho dele pra quem quiser ver a cor.
Nós compramos a cor de tinta Era do Gelo da marca Coral. Pintamos duas pareces de azul e duas de branco. Ficou maravilhoso. Uma cor bem suave. Eu amei. Ficou exatamente como eu queria.
Com o quarto pintado e os móveis comprados. Era necessário agora definir o tema do quarto. O tema que iriamos usar para decorar o quarto. Comprei várias revistas de decoração de bebê para ter umas idéias de decoração. Isto ajuda muito.
Decidi então fazer o tema de Ovelhinha. Fui atrás de coisas que combinassem com o tema e a cor do quarto. Fui em várias lojas e acabei comprando coisas de cada uma conforme o preço e qualidade.
Vou listar abaixo o que eu comprei e onde comprei:
– Móveis – Baby Story (SJC)
– Kit de Berço , cortina, ovelha grande e cabides – Allegrini (SJC)
– Enfeite de porta em forma de ovelha com o nome do Thomas – pela internet Elo 7 – Suave Cor Atelier by Sueli Araujo
– Tapete azul retangular – Angels Baby (SJC)
– 2 ovelhinhas, um pingente de ovelhinha para colocar no varão da cortina, dossel e lustre com menininho – Baby Bless (SJC)
– 3 quadrinhos de ovelhinha na cor azul – pela internet – http://www.infinitaarte.com.br
– 1 abajur (bem pequeno, com fio curto) – pela internet Elo 7 – Studio Cioccolato Casa e Bebê
– 2 potes (cotonete/algodão) e 1 lixeirinha – Anjo da Guarda (SJC)
– Cesto de roupas de barbante seco – Feira de Artesanato do Shopping D de São Paulo
A medida que as coisas chegavam e iamos instalando, ficava cada vez mais bonito. Eu entrava todo dia no quartinho dele. Acho que toda mãe faz isso.
O tema de ovelhinha é um tema unisex e hoje em dia a cor azul também está sendo usada para meninas.
A organização das coisas – a mamãe já deve pensar em como vai organizar as coisinhas do bebê nos móveis,. Tem que ser de uma forma que facilite o manuseio.
Eu organizei da seguinte forma:
– Pacotes fechados de fraldas em uma gaveta grande da cômoda.
– Fraldas abertas, já prontas para serem usadas, ficaram em 1 gaveta da cômoda.
– Em outra gaveta os lenços umidecidos
– 1 gaveta só para toalhas
– 1 gaveta só para lençóis
– 1 gaveta só para cobertas
– 1 gaveta só para panos de boca
– 1 gaveta só para babadores
– 1 gaveta só para meias, toucas e luvas
Com o tempo você vai precisar de um local para ir armazenando os brinquedos do seu bebê. Atualmente eu coloco também em uma gaveta. Mas quero comprar um baú para guardar os brinquedinhos do Thomas.
Os remédios eu coloquei na prateleira, mas o ideal é ter uma caixinha de remédios. Eu ainda preciso providenciar uma.
Para as roupas o ideal é separar também por tamanho e tipo de roupa. E também colocar num lugar que fique de fácil acesso. Principalmente se você fizer uma cesariana. No começo vai ser difícil abaixar para pegar as coisas.
Outra coisa que eu senti necessidade depois que o Thomas nasceu foi de um relógio no quartinho. Eu comprei um digital pequeno nessas lojas chinesas. Você sempre tem que saber que horas seu bebê mamou, quanto tempo ele mamou, hora de dar remédio, se precisar. Enfim, é bom ter um.
O Thomas nasceu no verão. Ele tinha um véu, mas mesmo assim não era suficiente para protegê-lo dos bichinhos. Para este ano eu preciso encomendar uma tela de mosquiteiro para no verão podermos deixar a janela aberta sem preocupação.
Nós também usamos uma babá eletrônica. Usamos muito começo e ainda estamos usando. Talvez também seja porque moramos numa casa grande e fica difícil às vezes escutar ele chorar. Também colocamos um móbile muito legal no berço da Fisher Price, o modelo Precious Planet 2 em 1 com Projetor, logo estará disponível no blog.
E para finalizar também colocamos um aparelho de som com cd e entrada usb para tocar musiquinhas.
Hoje o quarto do Thomas é o melhor cômodo da casa. É aconchegante e sereno. Um lugar gostoso de ficar. E assim deve ser o quartinho de um bebê. O trabalho que dá com certeza vale a pena. Mas se você fizer as coisas com tempo, vai ser bem mais fácil do que você imagina.
Vejam abaixo as fotos do quarto do meu bebê Thomas e façam seus comentários.
Conte sobre sua experiência também !
Beijos e até a próxima.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Filhos são do Mundo (José Saramago)

Devemos criar os filhos para o mundo. Torná-los autônomos, libertos, até de nossas ordens. A partir de certa idade, só valem conselhos.
Especialistas ensinaram-nos a acreditar que só esta postura torna adulto aquele bebê que um dia levamos na barriga. E a maioria de nós pais acredita e tenta fazer isso. O que não nos impede de sofrer quando fazem escolhas diferentes daquelas que gostaríamos ou quando eles próprios sofrem pelas escolhas que recomendamos.

Então, filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isto mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado.

Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo! Então, de quem são nossos filhos? Eu acredito que são de Deus, mas com respeito aos ateus digamos que são deles próprios, donos de suas vidas, porém, um tempo precisaram ser dependentes dos pais para crescerem, biológica, sociológica, psicológica e emocionalmente.

E o meu sentimento, a minha dedicação, o meu investimento? Não deveriam retornar em sorrisos, orgulho, netos e amparo na velhice?

Pensar assim é entender os filhos como nossos e eles, não se esqueçam, são do mundo!

Volto para casa ao fim do plantão, início de férias, mais tempo para os filhos, olho meus pequenos pimpolhos e penso como seria bom se não fossem apenas empréstimo! Mas é. Eles são do mundo. O problema é que meu coração já é deles.

Santo anjo do Senhor…

É a mais concreta realidade. Só resta a nós, mães e pais, rezar e aproveitar todos os momentos possíveis ao lado das nossas ‘crias’, que mesmo sendo ‘emprestadas’ são a maior parte de nós !!!

“A vida é breve, mas cabe nela muito mais do que somos capazes de viver”

Berço – Algumas Dicas

Eu comprei um berço para o Thomas que vira mini cama depois. Acho que valeu a pena. Ele ainda não está usando a cama. E ainda não sei quando ele vai usar. Estava lendo sobre isso e algumas crianças ficam até os 3 anos anos no berço. Não sei se com ele vai ser assim.

Acho que daqui a pouco vamos ter que baixar o estrado do berço. Porque ele já está sentando e se agarrando à grade. A recomendação para baixar o estrado é quando a criança já sentar ou levantar no berço.

Sobre o kit do berço e jogo de lençóis gostaria de sugerir a compra de 2 kits e pelo menos 5 cinco jogos de lençóis. Pra quem pode comprar, claro!! Bom, pelo menos na minha experiência gostaria de ter adquirido esta quantidade. Lembrando que o kit do berço é composto pelas almofadas que ficam na parte de dentro do berço, protegendo a criança, mais o trocador.

O Thomas nos primeiros meses tinha refluxo e tínhamos que dar muitos remédios pra ele. Então tudo isso sujava muito os lençóis e as almofadas do berço. Então usei e ainda uso muitos lençóis.

É bom também não deixar nada no berço que possa atrapalhar ou sufocar o bebê. Brinquedos, roupas, mantas que não estão utilizadas e etc. É sempre bom checar antes de colocar o bebê para dormir.

E o mais importante depois de tudo isso é fazer o bebê dormir no berço logo cedo. Algumas mamães acostumam colocar o bebê na sua cama por causa do cansaço durante as mamadas noturnas e acabam prologando esta prática. A medida que o bebê começar a acordar menos durante à noite ele deve ficar no seu bercinho, porque lá é o melhor lugar para ele. Mais seguro e mais confortável. E o casal ficará numa boa também na sua cama.

O Thomas desde recém-nascido dorme no berço. Depois de 2 meses comecei a trazê-lo para minha cama porque eu dormia junto com ele, sem ter que esperar ele dormir pra ir para minha cama. Era mais prático pra mim. Mas aí ficamos morrendo de medo de esmagar ele durante a noite. Eu fiquei com muita dor nas costas por dormir toda torta. Não dormia direito. Até que ele passou a acordar menos vezes durante a noite e dormir direto no berço. Hoje é assim, ele dormiu, colocamos no berço. Acordou de madrugada, volta para o berço. Só de manhã, lá para 7 ou 8, que trago ele para minha cama, que é a hora também que o meu marido está indo trabalhar. Acho que esta parte também não está certa. Sei que o ideal é ele só dormir no berço. Ainda chego lá, mas estou bem melhor do que antes. Durmo bem melhor.

Essas foram as dicas que eu lembrei. Compartilhe sua experiência também.

A importância da atividade física – Antes, durante e pós maternidade

Atividade física é importante para qualquer pessoa; seja ela magra, gorda, criança, de 3a. idade e gestante. Se a futura mamãe já praticar atividade física antes de engravidar é excelente. Poderá continuar fazendo grávida e depois de ganhar o bebê voltará mais rapidamente à forma e aos exercícios.

Infelizmente fazer atividade física regularmente é um hábito de poucos. Requer disciplina e disposição. E acredito que também é necessário ter prazer no exercício que se faz.

Antes de engravidar eu já tinha começado e parado vários exercícios, como, natação, musculação e pilates. O que me identifiquei mais foi com o pilates. Adorei fazer os exercícios. Mas tem que ser o pilates com os aparelhos. A única falta que eu sentia fazendo o pilates era uma atividade aeróbica. Queria poder unir as duas coisas. Fazer pilates e caminhar, por exemplo. Ou fazer pilates e esteira.

Grávida, depois dos 3 meses, a médica me indicou que já fizesse uma atividade. E todo mundo fala que é bom fazer hidroginástica. Eu fiz algumas aulas e infelizmente eu não me sentia bem depois de uma aula de hidro. Eu tinha mutia ázia e passava mal durante a aula com os movimentos da água. Apesar que eu não fazia aula só com gestantes. A professora me orientava a fazer alguns exercícios lentamente. Mas mesmo assim, com o movimento forte da água por causa dos outros alunos, eu passava mal. Talvez tenha sido isso. Mas eu tentei. Acho também que o que realmente impactou em tudo foi que eu não estava fazendo atividade física antes de engravidar.

Agora o Thomas está com 8 meses e até agora não voltei a fazer nada. Mas quero voltar a fazer pilates. Ainda não me organizei o suficiente para incluir mais esta atividade na minha vida. Me sinto envergonhada. Mas a vida é assim.

Espero que para o próximo filho eu tenha melhorado um pouquinho mais.

E você? Como foi pra você a questão da atividade física? Compartilhe com a gente. Gostaria muito de saber as outras experiências das mamães.

Beijos

Samantha

Visitas na Maternidade

Gostaria de comentar sobre as visitas às mamães e aos bebês nos hospitais.

É difícil falas sobre isso porque existem pessoas e pessoas. Algumas gostam de receber visitas outras não. A verdade é que não dá pra fugir delas. Elas vão aparecer. E todo mundo acaba passando pela mesma experiência. E quem tem família grande então, sai briga pra entrar no quarto.

O que eu gostaria de recomendar é que levem uma lembrancinha/presentinho para a mamãe também. Só os bebês recebem presentes e a mamãe fica feliz quando ganha alguma coisa, além das flores do maridão. Outra coisa que queria comentar é que não é bom presentar com flores as mamães nos hospitais. Os bebês são muito sensíveis para ficarem perto delas. Alguns hospitais pedem para que as flores fiquem do lado de fora, aí não é legal. Mas ninguém morre por causa disso..rs

Já presentei com flores. Vivendo e aprendendo.

Eu ganhei no hospital flores do meu marido e um presente de uma amiga que gostei muito. Foi uma vela decorativa. Achei super criativo.

Quem for visitar, seja rápido para dar sossego aos pais. Principalmente à mamãe.

E as mamães não podem esquecer de entregar as lembrancinhas. Eu sei que cansada e com dor é difícil de lembrar. Mas afinal você planejou com tanto carinho, não pode esquecer né. Mas se esquecer tem que entregar depois..rs

Estas foram as minhas dicas sobre visitas na maternidade. Tem ainda as visitas em casa.

Até a próxima.

Mais dicas de Leitura para as Mamães

Quando estava grávida li o livro “300 Respostas da Crescer sobre Gravidez”, editora Globo. Adorei este livro, é bem fácil de ler, colorido com ilustrações de Ziraldo. Recomendo para mães de primeira viajem.

Outro foi um livro que o meu marido Tony comprou, porque ele lembrou que o pai dele tinha um. Chama-se “A vida do Bebê”, autor Rinaldo De Lamare. Este livro tem 800 páginas. No momento em que ele comprou perguntei pra ele se ele iria ler. E fiquei assustada com o tamanho do livro. Mas hoje sou eu quem estou lendo mês a mês. Este livro é muito bom. Tem umas coisas antigas, mas a maior parte ainda é atual. E o mais interessante são as informações do desenvolvimento da criança. Este livro tem muitas coisas de doenças, quedas, primeiros socorros, sobre papinha; informações até os 2 anos de idade.

Ainda tenho muito que ler !!

Estou anexando um link para o site da Absoluta, tem um vídeo sobre isso. Vejam!

http://www.wtn.com.br/video.swf?id=1583&picture=videos

Mamãe

Deixei a natureza transformar-me
Com todas suas leis
Tive o prazer de sentir um bebê no meu ventre
Chorei na maternidade,
Troquei fralda,
Passeis noites acordada,
Desfrutei a sensação de amamentar,
Ensinei a comer,
Ensinei a andar,
Chorei no primeiro dia de escolinha
Talvez tenha deixado algumas pessoas de lado,
Talvez não tivesse tempo para dar atenção para as amigas
Pode ser que me relaxei um pouco com minha aparência
Ou quem sabe não tive nem tempo para pensar nisso
Pode ser que deixei alguns projetos pela metade
Ou talvez porque não conciliava com meu horário familiar
Momento algum joguei nada para o alto
Na verdade segurei com as duas mãos
Tudo o que vi cair do céu
Porém permiti
A mão de Deus me tocar
Para ser uma verdadeira mãe
(Autor desconhecido)

Cláudia Bebê

Eu leio esta revista. Queria assinar para não ter o trabalho de procurar sempre nas bancas, mas infelizmente não tem assinatura desta revista. Sempre tem matérias legais para as mamães e os bebês. Gosto muito de ler. Ler faz muito bem. A gente sempre aprende.

Pelo visto vou fazer uma coleção desta revista. rrrss Eu recomendo !!! Algumas matérias podem ser encontradas neste site http://claudia.abril.com.br/claudia_bebe/.

Vamos nos informar mamães !!!

Boa leitura.

Bem vindo ao Pitukinho

A motivação para este blog foi a vontade de divulgar minhas experiências como mãe de primeira viajem. Algumas situações que vivi e que vivo com o meu filhinho Thomas e com o meu marido e agora pai Tony.

Nem tudo são flores quando se trata de cuidar de um bebê, mas a alegria e a emoção de ter um filho compensa tudo.

Com as novidades do século atual podemos desfrutar de muitos produtos que facilitam muito as vidas das mamães e dos bebês. Desde de alimentação, vestuário, brincadeiras à compreensão de muitas coisas que antes eram desconhecidas pelas outras gerações.

Muitos conflitos estão acontecendo por causa disso, mas vamos deixar eles de lado e vamos trocar informações !

Minha meta é contribuir com pelo menos 1 pessoa. Já ficarei muito feliz !!!

Samantha

mãe de Thomas